29.11.16

Destinos históricos

Lugares históricos para visitar o mundo


Quem gosta de viajar sabe que não tem nada como conhecer um lugar novo e antigo, olhar paisagens diferentes e perceber o mundo pelos olhos de quem vive outros cenários e outras culturas. 
Quem não gostaria de descobrir coisas novas "antigas", e principalmente um explorador, aventureiro, seja um campista ou não?

Isto, para quem é apaixonado, observa e se aventura atentamente em outros lugares encoberto de mistérios, tenha um bom "dinheiro no bolso" para um voo, e que vale muito a ver  uma boa visita, e quem sabe  um acampamento (apesar que nesses lugares, não sendo bem conformes a nossa língua, e nem tampouco sabem sobre acampamentos). 

Então, é bom se conformar com uma boa hospedagem, e saber preços de hotéis e hospedagens do lugar, onde alugar um bom carro e onde ficar!

Essa sensação é ainda maior quando visitamos cidades e monumentos muito antigos que carregam um pouco da história da humanidade. Seja na América Central ou na Ásia, esses destinos são repletos de culturas, e prometem agradar não só os olhos, como também a mente. 

As Pirâmides de Gizé, Egito

Apesar de serem um conjunto, estão entre uma das maravilhas do mundo, a Grande Pirâmide de Gizé. Construída por volta de 2550 a.C., foi uma encomenda do faraó Quéops para abrigar seu sarcófago e outros objetos preciosos que pretendia ter com ele após a morte. Não se sabe ao certo a forma exata como as pirâmides foram construídas, mas estima-se que cerca de 100 mil homens levaram 20 anos para levantar a Grande Pirâmide.

Jerusalém

Três grandes religiões (o cristianismo, o judaísmo e o islamismo) consideram essa uma cidade sagrada. Estima-se que há pessoas vivendo na região há cerca de 5 mil anos, sendo povos diferentes de tempos em tempos. São muitas as construções sagradas no local: para os judeus, o Muro das Lamentações é um ponto de destaque; para os católicos, a Igreja do Santo Sepulcro; e para os muçulmanos, o Domo da Rocha. Hoje, a cidade é origem de muitos conflitos entre Israel e a Palestina.

A Esfinge, Egito

A esfinge egípcia é uma antiga criatura mística usualmente tida como um leão estendido — animal com associações solares sacras — com uma cabeça humana, geralmente a de um faraó. Também usada para demonstração de poder, assim como as pirâmides no Egito.
A maior e mais famosa é Sesheps, a esfinge de Gizé, sita no planalto de Gizé no banco oeste do rio Nilo, feito em dois ao leste, com um pequeno templo entre suas patas. O rosto daquela esfinge é considerada como a cabeça do faraó Quéfren ou possivelmente a de seu irmão, o faraó Djedefré, que dataria sua construção da quarta dinastia (2723 a.C.–2563 a.C.). Contudo, há algumas teorias alternativas que relatam a esfinge ao pré-antigo império – e, de acordo com uma hipótese, a tempos pré-históricos. É um mistério até hoje.

Templo Abu Simbel, Egito

Construído a mando do faraó Ramsés II, no século XIII a.C., Abu Simbel é um complexo arqueológico egípcio que se situava próximo ao lago Nasser. Entretanto, com os riscos de inundação dos templos, nos anos 1960 a Unesco deslocou os monumentos, fazendo com que as bases da montanha do local fossem cortadas e transportadas para o cume, evitando o alagamento das obras.
Quando Ramsés II ordenou a construção de Abu Simbel, queria deixar claro às demais sociedades antigas a superioridade do Egito e ofuscar os conflitos gerados após a imposição do antecessor faraó Akhenaton de cultuar apenas o deus Aton – dando origem ao monoteísmo.
Ramsés II queria dedicar os dois templos construídos no complexo a si mesmo e a sua esposa favorita, Nefertari. No maior dos templos, há uma fachada de 33 m de altura por 38m de largura, com quatro estátuas de vinte metros cada que representam a figura do faraó.

Machu Picchu, Peru

Localizada aqui na América do Sul, essa cidade é um dos patrimônios da civilização inca. Machu Picchu significa “velha montanha”, e foi construída por volta do século XV em uma montanha próxima a Cusco, que era a capital do Império. Por muito tempo foi considerada “a cidade perdida dos incas”, pois sua localização exata não era conhecida. Sua estrutura, que conta com templos, calendários solares e até pirâmides, foi descoberta em 1911.

Tikal, Guatemala

As ruínas de Tikal ficam na cidade de Péten, e hoje fazem parte de um parque nacional reconhecido como Patrimônio Natural e Cultural da Humanidade pela Unesco. Em 576 m², o espaço conta com estruturas preservadas da história da civilização maia, que viveu na região entre os séculos 9 a.C e 5. a.C. Os maias são conhecidos por terem desenvolvido uma cultura bastante avançada, que tinha relação profunda com a ciência e a matemática de seu tempo.

Angkor Wat, Cambója

Esta construção, da cidade de Angkor, é conhecida como um dos maiores templos religiosos do mundo. Começou a ser construído em 1113, no reinado de Suryavarman II, e era dedicado ao deus hindu Vishnu. 

Tempos depois, em 1177, a cidade foi invadida e o novo rei, entendendo que os deuses hindus haviam falhado na proteção de Angkor, transformou o templo em budista. Por conta disso, a construção possui imagens de lendas do hinduismo, do rei Suryavarman II, e peças de arte budista.

Stonehenge, Inglaterra

Localizado no sul da Inglaterra, perto da cidade de Salisbury, é um conjunto de pedras enormes dispostas em círculo. Não se sabe ao certo o motivo de ter sido construído, mas Stonehenge já tem cerca de 3,5 à 5 mil anos de idade. Hoje, o monumento apresenta apenas ruínas, pois sua estrutura já foi modificada ao longo dos anos por construtores e pelo tempo.

Volubilis, Marrocos

A ruínas de Volubilis, uma cidade romana, podem ser encontradas perto da cidade de Meknès. Hoje, o local é um sítio arqueológico preservado. Fundada no século 333 a.C., a cidade já foi um importante posto do Império Romano em Marrocos. Um dos destaques de Volubilis são os mosaicos que se mantém preservados até os dias de hoje.

Sigiriya, Sri Lanka

Construída pelo rei Kassapa I, que viveu entre os anos 477 d.C. e 495 d.C. , essa cidade foi a capital do reinado durante anos. Com cerca de 200 m de altura, Sigiriya foi construída em uma rocha, onde foi esculpida a imagem de um leão. Hoje, apenas as patas do animal são visíveis. Suas ruínas incluem um palácio, alguns fortes, jardins, lagos, canais, fontes e outros. Nas paredes laterais da rocha, são encontradas pinturas de mulheres nuas.

Petra, Jordânia

Fundada em 312 a.C., a cidade foi esculpida na pedra, como o próprio nome diz. Túmulos reais, tumbas, ruas, portões, obeliscos e até um monastério foram encontrados nas ruínas de Petra, cuja arquitetura foi prejudicada por constantes terremotos ao longo dos anos. Com 264 km², a cidade é berço do povo nabateu, mas também foi dominada pelo imperador romano Adriano. Além de toda sua história, é uma das maravilhas do mundo moderno.

Coliseu, Itália

Na cidade histórica de Roma, o Coliseu é um dos locais que mais chama atenção dos turistas. Construído em 72 d.C., foi palco de combates entre gladiadores e entre homens e animais selvagens. Quando esse tipo de luta foi proibida, o anfiteatro serviu para muitos propósitos, hoje sendo o principal sítio arqueológico de Roma.

Taj Mahal, Índia

Um dos monumentos mais famosos do mundo, foi construído a pedido do imperador Jahan em 1632, como monumento e túmulo para sua esposa falecida. Cercado por jardins e espelhos d’água, suas paredes externas são todas de mármore branco, e pedras preciosas de várias cores estão cravadas nele, formando desenhos geométricos e flores. Em seu interior, uma sala contém as homenagens para Jahan e sua mulher e, debaixo dela, os túmulos do casal.

Partenon, Grécia

O mais famoso edifício da Acrópole, em Atenas, o Partenon foi construído há cerca de 2500 anos, dedicado à deusa Atena. Desde então, serviu a alguns propósitos: sob o cristianismo, foi igreja; e sob o islamismo, foi mesquita. Em 1687, sofreu uma explosão que danificou sua estrutura.

Alhambra, Espanha

Casa dos muçulmanos que governaram a Espanha anos atrás, este é um palácio e fortaleza conhecido até os dias de hoje. Um dos destaques deste conjunto de construções é a Fonte dos Leões, onde uma grande bacia de água é apoiada em 12 leões de mármore branco. O espaço do Alhambra também conta com um palácio de verão, o Generalife, onde hoje funciona um teatro.

Ilha de Páscoa, Chile

A Ilha de Páscoa é uma das mais isoladas do mundo. Ela fica na Polinésia Oriental a cerca de 3,7 mil quilômetros da costa do Chile. Talvez por ser tão afastada, ela seja ainda tão misteriosa, pois também abriga 887 estátuas de pedras gigantes (chamadas moai), que tornam o lugar ainda mais fascinante.
Esta ilha tem uma área de 163 km². Seu nome é devido ao dia em que os europeus a visitaram pela primeira vez, um domingo de Páscoa. Em 1722, eles encontraram a população da ilha venerando as gigantes estátuas. Hoje, os moradores produzem torneios e competições para reviver os antigos costumes da ilha.

Skara Brae, Escócia

Uma aldeia pré-histórica do período neolítico, entre 3100 e 2500 a.C., fica na Bahia de Skaill, no norte da Escócia. Por ser uma região sem muitas árvores, o povo que viveu ali construiu suas casas com placas de rochas em depressões da ilha. Estima-se que os telhados eram feitos de ossos de baleias e cobertos por peles de animais, terra e vegetação, que ajudavam a manter a temperatura do local (que possui clima bastante frio e rígido). Uma tempestade em 1850 deixou algumas dessas casas expostas, e assim o local passou a ser estudado e visitado.

Istambul - Constantinopla -Turquia

Primeiro Istambul foi chamada pelos gregos de Byzantium, em 660 a.C., até se restabelecer como capital do Império Romano e se tornar Constantinopla, pelas mãos do imperador Constantino (330 d.C.). Mas foi durante a conquista pelo império Otomano que a cidade turca que tem “um pé na Europa e outro na Ásia” passou a ter o nome atual e se tornou uma metrópole de quase 2,7 mil anos de idade que impressiona e conquista o visitante do começo ao fim da viagem. 
É maior cidade da Turquia, a quarta maior do mundo, rivalizando com Londres como a mais populosa da Europa, 
Foi a capital do Império Romano do Oriente e do Império Otomano até 1923, cujo governante máximo, o sultão, foi durante séculos reconhecido como califa, o chefe supremo de todos os muçulmanos, o que fazia da cidade uma das mais importantes de todo o Islão.

A Cisterna - Istambul - Constantinopla - Turquia

Datada do século VI, a Cisterna da Basílica ou Yerebatan Sarniçi, em turco, é, com certeza, um dos lugares mais impressionantes de Istambul. Construída durante o comando do imperador Justiniano com o objetivo de fornecer água para a cidade, a estrutura subterrânea possui um telhado com 65m de largura e 143m de comprimento, sustentado por mais de 300 belas colunas (tem capacidade para 80 mil metros cúbicos de água).

Basílica de Santa Sofia (Haghia Sofia)

Com certeza um dos pontos mais famosos e importantes de Istambul. Reconstruída nada menos que três vezes, no mesmo local, a Basílica de Santa Sofia - ou Haghia Sofia.
Primeiro foi uma igreja; depois, uma mesquita; até que, enfim, a basílica se tornou o que é hoje: um importante museu que impressiona por sua arquitetura imponente (com uma belíssima cúpula de 30m de diâmetro, no centro) e pela grande quantidade de riquezas guardadas em seu interior, a exemplo de valiosíssimos mosaicos do período bizantino (um dos maiores orgulhos do imperador Justiniano), vários elementos em mármore (como uma porta e vasos, próximos à entrada), entre outros.

Templos de Khajuraho, Índia

Khajuraho é hoje um dos mais populares destinos turísticos na Índia, provavelmente pela presença do maior grupo de templos Hindus medievais, famosos pelas suas esculturas eróticas, onde serviu de capital religiosa à dinastia Hindu Rajput dos Chandelas, que controlou esta parte da Índia entre o século X e o século XII os quais seriam seguidores do culto tântrico.

E embora não estejam 100% conservadas, as figuras eróticas chegam a constranger visitantes ao reproduzir volumosas genitálias masculinas e posições sexuais que exigiram flexibilidade extra dos envolvidos nas cenas de orgias – alguns contam, inclusive, com a participação de animais. O conjunto de monumentos foi classificado pela Unesco como Patrimônio Mundial.

Teto da Capela Sistina

Palácio Apostólico, Vaticano
O teto da Capela Sistina é constituído por um extenso afresco, concebido por Michelangelo entre 1508 e 1512. O trabalho, feito a pedido do papa Júlio II, é considerado não só um marco da pintura da Alta Renascença, mas também uma das mais famosas obras da história da arte e um dos maiores tesouros da Santa Sé. A Capela Sistina, localizada no Vaticano, foi construída entre 1477 e 1480, a mando do papa Sisto IV, em homenagem ao qual foi nomeada. No local, acontecem o conclave e outros importantes eventos da Igreja Católica.

Muralha da China, China

Maior estrutura militar de defesa.
Com extensão 21 196 (km) quilômetros, a Grande Muralha da China é uma série de fortificações feitas de pedra, tijolo, terra compactada, madeira e outros materiais, geralmente construída ao longo de uma linha leste-oeste através das fronteiras históricas do norte da China para proteger os Estados e impérios chineses contra as invasões dos vários grupos nômades das estepes da Eurásia, principalmente os mongóis. 
Especialmente famosa a muralha foi construída entre 220 e 206 a.C. por Qin Shi Huang, o primeiro Imperador da China. Esta muralha permanece nos dias atuais. Desde então, a Grande Muralha foi reconstruída, mantida e melhorada; a maior parte do trecho existente é da dinastia Ming (1368-1644).

Os Soldados de Terracota, Xian - China

Quando o imperador chinês Qin Shi Huang Di morreu, aproximadamente em 259-210 a.C., foi enterrado na companhia de um exército de Soldados de Terracota, os quais tinham como tarefa cuidar de seu soberano na vida após a morte, conceito enraigado na cultura espiritual dos chineses. São mais de oito mil imagens de soldados e cavalos, em porte natural.

Este tesouro arqueológico foi encontrado casualmente em 1974, a cerca de 30 quilômetros da cidade de Xian, ex-capital de 11 dinastias e outrora a maior cidade do Planeta; hoje ela é a sede do governo central da província de Shaanxi. 

Um trabalhador rural escavava um poço em busca de água, no monte Lishan, produzido artificialmente pela mão humana, núcleo no qual está localizada a cripta do primeiro imperador chinês, quando se deparou com algumas das figuras de terracota.

Vários artífices, portando seus instrumentos de trabalho, foram também aí encontrados, mais recentemente, o que pode indicar que foram aí sepultados para que não disseminassem entre assaltantes o porte dos tesouros enterrados junto ao soberano ou a localização da abertura que permitiria a entrada de ocasionais marginais.

Nan Madol: conheça a cidade perdida no meio do Pacífico

Arquipélago artificial foi construído sobre um recife de corais.
Por volta do ano 1100 invasores estrangeiros dominaram a ilha de Pohnpei, hoje sede da capital da Micronésia, estabelecendo a dinastia de Saudeleur. 

Apesar de ter dominado a região por cerca de 500 anos, historiadores acreditam que nada foi muito agradável para as cerca de 25 mil pessoas que viviam por ali na época. De etnia e cultura diferentes, passaram a oprimir o povo e religião.
O domínio de outro grupo de conquistadores, chamados Isokelekel, pôs fim à dinastia por volta de 1600, mas deixou de lembrança sua capital, considerada uma das maravilhas do mundo antigo. Considerada Patrimônio Mundial pela Unesco desde 2016, Nan Madol é um arquipélago artificial construído com pedras basálticas sobre um recife de corais a sudeste de Pohnpei. Imagens de satélite feitas pelo Science Channel mostram o local como nunca antes visto.



Construído para abrigar os líderes políticos, religiosos e a alta classe dos Saudeleur, é formada por diversas pequenas ilhas em formas geométricas, sendo que cada uma dedicada a uma atividade diferente, como construir canoas, casa de banho e local de reuniões. A maior estrutura é o templo real chamado Nandauwas, cercado por uma muralha que chega a sete metros de altura por cinco de largura.

Os Saudeleur, porém, não deixaram nenhum tipo de inscrição em suas ruínas, dificultando o trabalho dos historiadores e arqueólogos. Não sabe, por exemplo, como fizeram para locomover blocos gigantescos de pedra com até 10 toneladas até o meio do mar. 


Quer conhecer mais lugares para curtir? 

Mallorca, Espanha

Essa é a maior ilha do arquipélago do leste da Espanha e conta com praias maravilhosas, além de charmosos vilarejos. Se está nos seus planos, não deixe de conhecer o Cabo de Formentor, que é um dos cartões postais da ilha, e as praias da costa leste. Reserve um tempo também para fazer o passeio no trem de Sóller.

Botswana, África 

Lugar onde príncipe Harry e Meghan Markle se apaixonaram, por lá o turismo de safári é bem controlado e as paisagens encantadoras. Com ótimas opções de acampamentos, a principal dica é reservar alguns dias para curtir a natureza. Os pacotes geralmente incluem guias, motoristas e chefs de cozinha, por isso, fique despreocupado, não será uma estadia tão selvagem assim. 

Chefchaouen, Marrocos

Conhecida como "cidade azul", Chefchaouen é localizada no norte do país e fica entre as montanhas do Rif. Você certamente vai se impressionar com a quantidade de casas, prédios e muros azuis, por isso, leve a sua câmera e prepare-se para fotos incríveis! Também não deixe de conferir peças feitas à mão como cobertores e cerâmicas.

Butão, Ásia

Conhecido como o país da felicidade, Butão está localizado bem na Cordilheira do Himalaia. Cercado de paisagens encantadoras, o país exige que os visitantes sejam acompanhados por guias. 
Empresas oferecem pacotes para destinos: Bhutan, para quem está interessado em conhecer a cultura local, e Pilgrim's Valley Trek, para os aventureiros que curtem fazer trilhas. 
Bawah Island, Indonésia

Bawah Island, Indonésia

Próximo de Cingapura, cerca de três horas de voo, a ilha ainda não é tão famosa e provavelmente você será o primeiro a ir para lá!
Um resort foi recentemente inaugurado na região, ou seja, você pode escolher entre não fazer nada ou fazer tudo! Batizado com o nome da ilha, o Bawah Resort conta com programação que inclui caminhadas, passeios de barco e mais.. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário